Alienação Parental


A SIC no último dia 16/11 exibiu em seu programa GRANDE REPORTAGEM SIC, realmente uma grande reportagem intitulada "Filhos de pais em guerra".


Não conheço nenhum dos personagens das tristes histórias apresentadas.


A minha indignação e perplexidade foram imensas. Igualmente à psicóloga Maria Saldanha Pinto Ribeiro, eu também não entendo as atitudes dos pais alienadores. O que leva uma mãe (ou um pai) a cegar a ponto de prejudicar deliberadamente seus filhos? Não conseguem enxergar o mal que fazem às criaturas que dizem mais amar?


Para mim, só se justifica a privação da presença de um pai (ou de uma mãe) na vida de um filho, se este progenitor for um indivíduo perigoso, violento, pondo assim em risco a integridade física e/ou psicológica, bem como a vida do filho. Só isso! Nem o não cumprimento do pagamento da pensão alimentícia justifica esta atrocidade!


"Estabilidade não é dormir sempre na mesma cama.", bem disse Maria Saldanha Pinto Ribeiro. Estabilidade é ter sempre contato com seus progenitores, é ter os pais a conviverem pacificamente em prol do seu bem estar, é saber que pode contar com a colaboração dos dois na sua vida cotidiana.




Talvez a prisão do progenitor alienador seja, não um exagero, mas uma maneira de traumatizar mais ainda o filho órfão de pai/mãe vivo/a. Agora, a perda da guarda, do alienador para o alienado, é algo que considero legítimo e urgente!

Apagão e Geisy são notícias do Brasil em Portugal

Esta semana, de manhã cedo, tomando meu pequeno-almoço vejo estas singelas notícias no Bom Dia Portugal da RTP:
Apagão no Brasil

BRASIL: Universidade readmite aluna que expulsou por usar mini-saia

Pesquisa personalizada